| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
POLÊMICA

Câmara solicita abertura de CPI

Solicitação refere-se à obra da Rua Frei Solano, no bairro Gasparinho

Alexandre Melo


Vereadores querem explicações técnicas e administrativas da obra da rua Frei Solano / FOTO CÂMARA DE VEREADORES DE GASPAR

A obra da Frei Solano, no bairro Gasparinho, continua dando muita dor de cabeça para o governo municipal. Desta vez, o movimento vem da Câmara de Vereadores, com um pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as obras de drenagem e pavimentação. O pedido partiu de cinco vereadores da oposição. A partir da sessão ordinária desta terça-feira (3), os líderes poderão indicar quatro titulares e dois suplentes para compor a CPI, obedecendo ao princípio da proporcionalidade partidária.

Os parlamentares questionam a inversão entre a emissão do empenho global e o início das obras. Segundo eles, o empenho 1030/2018 foi emitido no dia 18 de dezembro de 2018, enquanto a ordem de serviço foi assinada um mês antes, ou seja, em 17 de novembro de 2018. Dois dias depois, as obras foram iniciadas.

Outra dúvida dos parlamentares refere-se à divergência entre o projeto executivo e a obra executada. Eles argumentam que as juntas dos tubos deveriam ter sido operadas com cimento e areia, mas foram feitas com uma massa de tecido chamada bedin.Já os poços de vistas deveriam ter sido executados com concreto e ferro. No entanto, o último material não foi utilizado.

Polêmica

A polêmica em torno da obra da Frei Solano vem desde o início deste ano, quando o vereador Dionísio Bertoldi (PT) fez duras críticas ao trabalhos de engenharia, alegando justamente divergência entre o projeto executivo e o que de fato foi feito. Na época, o vereador levou as suas suspeitas ao Ministério Público, que solicitou explicações ao Executivo. Paralelamente, a prefeitura deu por encerrada a primeira etapa da obra, que compreendia a nova drenagem numa extensão de 1.300 metros custeada pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae). O valor chegou a R$ 1,5 milhão.

A partir de então, um novo edital de licitação foi aberto para a contração de empreiteira para a drenagem pluvial em mais um trecho, além da pavimentação de 2,7 quilômetros, colocação de meio fio, calçadas, ciclovia e sinalização. O custo total é de R$ 5,7 milhões. A empresa vencedora foi Engeplan Terraplanagem. A obra, porém, não andou conforme o previsto e em 13 de novembro a prefeitura anunciou a rescisão do contrato. De acordo com o vereador Bertoldi, que assina o pedido de abertura de CPI, após vistoria "in loco" em outubro, observou-se que a Engeplan estava refazendo o serviço da primeira empresa, CR Artefatos, levando, em tese, a desperdício de recursos públicos e danos ao erário.

Imagens


LEIA TAMBÉM



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |