| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
INVESTIGAÇÃO

Testemunha diz que nunca teve contato com Moisés

O empresário Samuel de Brito Rodovalho contou à CPI que fez uma suposição equivocada e que se referiu ao governo e não ao governador

Alexandre Melo


Rodovalho inocentou o governador Moisés em depoimento à CPI que tem como relator o deputado Ivan Naatz (PL)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada na Assembleia Legislativa de SC (Alesc) para apurar a compra dos 200 respiradores da Veigamed ouviu mais duas testemunhas nesta terça-feira (23). Participaram da sessão o controlador-geral do Estado, Luiz Felipe Ferreira - pela segunda vez -, e o empresário Samuel de Brito Rodovalho, este último entrou no negócio a convite de César Augustus Martinez Thomaz Braga, advogado do Rio de Janeiro que está preso no âmbito da Operação Oxigênio. O seu trabalho era fazer o "meio campo" com a empresa Cima, habilitada a importar respiradores da China. O negócio, porém, não avançou. Rodovalho dise que, após saber da indisponibilidade dos respiradores pela empresa Cima, não participou mais do processo. "A nova proposta [da Veigamed] foi feita pelo César, eu não participei. Eu só participei da primeira", disse.

A testemunha ainda esclareceu o trecho em que cita o "governador" (abaixo). "Eu fiz uma suposição errada, equivocada e sem fundamento, e disse que eles estavam na linha com o governador, mas eu queria me referir ao governo. Eu não tenho contato com o governador, não tive ligação com ele. Não conhecia o secretário da Saúde", afirmou.


Samuel diz em conversa que estava "na linha com o governador". Foto: Reprodução/MPSC


Em outro trecho, Samuel diz em mensagem encaminhada "O que eu faço com fovernador menligando??????". Foto: Reprodução/MPSC

A citação ao termo "governador" foi o motivo que levou o Ministério Público a pedir que o caso fosse repassado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O pedido foi acatado nesta segunda-feira (22) já que Carlos Moisés da Silva tem foro privilegiado. No mesmo dia, o governador negou que tivesse conversado com alguém sobre a compra. Ele também retificou uma mensagem em que pede "comissão" de R$ 3 milhões (abaixo). "Foi um erro de digitação. Era dele. Do César. O César que tinha me pedido a comissão. César Augustus. Depois, pelo processo, eu tive conhecimento de que a comissão era para o Fábio [Deambrósio Guasti, empresário que representou a Veigamed e está preso]", disse Rodovalho.


"Foi um erro de digitação. Era dele. Do César. O César que tinha me pedido a comissão", disse Rodovalho. Foto: Reprodução/MPSC

Controlador também depôs

O primeiro a falar na CPI foi o controlador Luiz Felipe Ferreira. Ele reiterou que a compra dos equipamentos teve falhas e enumerou os equívocos da Secretaria da Saúde. Além disso, afirmou que não houve nenhuma omissão por parte da Controladoria-Geral do Estado (CGE), e que inclusive o órgão agiu para apontar os erros.

A participação dele irritou os deputados. "O senhor vem pela segunda oportunidade na CPI. O senhor não sabe, ou não lembra, ou não quer nos falar os servidores que estão trabalhando [na sindicância do governo], ou adiantar qualquer parte do relatório. Ajude a CPI", disse o deputado João Amin (PP).

Ferreira afirmou que o fato da servidora Marcia Regina Geremias Pauli ter certificado a nota foi determinante para o pagamento. "No momento que você certifica a nota, está dando o entendimento de que recebeu o produto. Se é um pagamento antecipado, não tem certificação de nota", disse.

Segundo ele, o pagamento não foi antecipado. A certificação da nota atesta o recebimento do produto que, na verdade, não chegou. Isso caracterizaria uma fraude, tese defendida pelo ex-secretário de Saúde, Helton de Souza Zeferino.

Apesar disso, o controlador acrescenta que o erro não é apenas da certificação. Em determinado momento da oitiva o relator Ivan Naatz (PL) pergunta: " Mesmo que a nota não tenha sido certificada, o senhor acredita que o pagamento antecipado aconteceria?". Ferreira responde: "Da forma que a coisa está estruturada, acredito que sim", disse.

Imagens

LEIA TAMBÉM



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |