| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
ELEIÇÕES 2020

Fundos. Usar ou não na campanha?

Em Gaspar, maioria dos candidatos não utilizará os recursos

Neste domingo (27), inicia oficialmente a propaganda eleitoral de 2020. A partir da data, os candidatos estarão liberados para fazerem propaganda na internet e dar início às passeatas de rua. Uma das formas de custear as campanhas é utilizar recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o chamado Fundo Eleitoral. Ele foi criado em 2017, após o Supremo Tribunal Federal (STF) proibir as doações de pessoas jurídicas. Para a eleição deste ano, o Tesouro Nacional disponibilizou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o valor de R$2,03 bilhões para o fundo. Até o dia 14 de setembro, dos 33 partidos políticos com registro no TSE, 21 deles estavam aptos a receber os recursos. A verba também pode vir do Fundo Partidário - porém muitos poucos partidos utilizam estes recursos para as campanhas.

Em Gaspar, a maioria dos candidatos a prefeito afirma que não irá utilizar recursos do Fundo Eleitoral na campanha deste ano. Verbas do Fundo Partidário também não são opção para a maioria deles. O presidente do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) em Gaspar, Roberto Pereira, partido de Kleber Wan-Dall, que concorre à reeleição, justifica que os recursos deveriam ser aplicados de outra forma. "Não vamos utilizar recursos de nenhum dos dois fundos. Tanto o Kleber quanto o candidato à vice na coligação, Marcelo Brick, entendem que são recursos públicos e que eles deveriam ser direcionados para a saúde, que é uma área prioritária; para a educação; principalmente neste momento de pandemia e não para financiar campanhas eleitorais", disse. De acordo com Pereira, a estratégia da coligação será buscar financiamento com pessoas físicas, doações e recursos próprios. "Pretendemos fazer uma campanha enxuta, tranquila. Até porque há muitas limitações devido à pandemia. Então deve ser dessa forma que vamos proceder".

A campanha de Wanderlei Knopp (DEM) tambem não contará com recursos dos fundos. O presidente do partido em Gaspar, Paulo Filippus, garantiu que mesmo que o partido receba a verba, ela não será utilizada. "Não vamos utilizar nem recursos do Fundo Eleitoral e nem recursos do Fundo Partidário pois não concordamos em utilizar dinheiro público para fazer campanha. Além disso, o Fundo Eleitoral é distribuído proporcionalmente entre os partidos que tem mais representatividade, ou seja: esse dinheiro mantem as pessoas no poder, os velhos políticos no comando. Assim, um candidato novo que quer se envolver, um partido novo que quer se apresentar não consegue. Ele já entra em desvantagem", justifica.

O candidato Rodrigo Boeing Althof (PL) também afirma que não pretende usar os recursos, mas não descarta a possibilidade de utilizar a verba. "Vamos fazer uma campanha mais enxuta possível, utilizando recursos próprios e doações voluntárias, dentro dos limites possíveis. Caso o partido disponibilize algum valor, usaremos o recurso apenas se nossa verba não for suficiente para levar até o leitor as nossas propostas", disse.

Já o candidato pelo PSL, Sérgio Almeida, defende o Fundo Eleitoral e diz que, se receberem os recursos, eles serão utilizados. "O Fundo Eleitoral veio para equiparar, dar equilíbrio às campanhas. O recurso é legítimo, é legal", ressalta.

O Partido dos Trabalhadores (PT), que tem como candidato Amarildo Rampelotti, ainda não decidiu. "Isso vai depender da deliberação de outras instâncias partidárias, como o PT estadual. Ainda não temos sequer previsão se haverá fundos", disse o coordenador da campanha do partido na cidade, Fernando Borba de Castro.


A distribuição do Fundo Eleitoral: 

-> 2% distribuídos igualmente entre todas as legendas registradas;

-> 35% consideram a votação de cada partido que teve ao menos um deputado eleito na última eleição para a Câmara; 

-> 48% consideram o número de deputados eleitos por cada partido na última eleição, sem levar em conta mudanças ao longo da legislatura; 

-> 15% consideram o número de senadores eleitos e os que estavam na metade do mandato no dia da última eleição.



PT, de Amarildo Rampelotti, aguarda decisão estadual/



Candidato do DEM, Wanderlei Knopp, não irá utilizar/



MDB de Wan-Dall optou por não utilizar recurso dos fundos/



Rodrigo Althoff (PL) pretende não utilizar os fundos /



Almeida (PSL) defende que o fundo é legítimo e irá utilizar /












LEIA TAMBÉM



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |