| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
TOP_Artigos.png

Isolamento social

Como vender quando as pessoas não estão comprando, como agora em tempos de pandemia? O primeiro passo é parar de colocar a culpa na crise e identificar o(s) verdadeiros porquê(s). Para isso é preciso responder algumas perguntas como: as pessoas ainda querem comprar o que a empresa vende? As pessoas sabem o que a empresa vende? A empresa sabe como as pessoas querem comprar? A primeira pergunta é relativa aos produtos fornecidos ou serviços prestados. Várias empresas precisaram se adaptar ao isolamento pelo Covid-19. Por exemplo, os proprietários de cantinas. Com as escolas fechadas, eles tiveram que se reinventar fazendo quentinhas ou outros produtos. Na mesma linha, como há um grupo expressivo em home office almoçando em casa, alguns restaurantes passaram a ser fornecedores de quentinhas, outros migraram para a área de doces e sobremesas. Outro caso é o dos motoristas de transporte escolar, cujos clientes simplesmente sumiram (aulas EaD), há os que migraram para outra área, é o mesmo caso de manicures, que inclusive mudaram de negócio, de beleza para alimentação. Enfim, inúmeros são os exemplos da reinvenção diária de empresas e profissionais. Já a segunda pergunta é do campo da propaganda. Tanto a história quanto pesquisas científicas já provaram que em tempo de crise é preciso manter a marca na lembrança dos consumidores (top of mind). Pois assim que a normalidade voltar, venderá mais a marca que estiver ocupando seu espaço na mente (posicionamento) dos consumidores. E por fim, para responder a terceira pergunta é preciso considerar que o mundo virou de cabeça para baixo, de um dia para o outro, os clientes mudaram seus hábitos e costumes, e a maioria das empresas... Continua vendendo como sempre! Assustador, não? A ideia agora é: "Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé". Assim, reestruturar os canais de venda, incluindo meios eletrônicos e digitais, entrega em domicílio podem ser estratégias de sucesso, sempre apoiadas pela propaganda, pois de nada adianta disponibilizar serviço de entrega em domicílio se ninguém ficar sabendo. Resumindo, é preciso abandonar o hábito de ter a crise como desculpa, já que "enquanto uns choram, outros vendem lenço" e como já dizia Einstein: "Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.". O sucesso passa por estratégias de marketing inovadoras, sejam por novos produtos, serviços agregados ou propagandas criativas para informar e lembrar os clientes. 

Bárbara Silvana Sabino, Professora Mestra em Administração no Câmpus Gaspar do IFSC


OUTROS ARTIGOS E EDITORIAIS



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |