| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
COMUNIDADE

Segurança para evitar acidentes

Morte de criança em piscina no Gaspar Grande alerta para que familiares adotem medidas preventivas


Grades e cercas fixas, em volta da piscina, são fundamentais para se prevenir tragédias como a que aconteceu essa semana / Foto: Divulgação/

A tarde de domingo (31) foi de muita tristeza para uma família moradora do Gaspar Grande. A filha menor do casal, de apenas dois anos e três meses, foi encontrada submersa na piscina da residência, localizada na Rua Prefeito Leopoldo Schramm. De acordo com informações, ela teria permanecido no fundo da piscina por cerca de dez minutos - quatro minutos são suficientes para uma pessoa sofrer danos cerebrais irreversíveis. A menina foi retirada da água por familiares e socorrida pelos bombeiros militares de Gaspar ainda com vida, porém, devido ao seu estado gravíssimo, não resistiu e morreu quando recebia os primeiros atendimentos no Hospital de Gaspar.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar as circunstâncias do acidente e os pais devem ser ouvidos nos próximos dias. Independente de se identificar as causas, a verdade é que este tipo de acidente é bem mais comum do que se imagina. De acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), em levantamento de 2019, 52% das mortes de crianças na faixa etária de 1 a 9 anos de idade ocorrem em piscinas. Ainda de acordo com a Sobrasa, a cada dois dias uma criança morre afogada em casa. Além disso, o afogamento é a segunda causa de morte entre crianças de 0 a 4 anos no Brasil.

Mesmo que o seu filho já saiba nadar, ainda assim é preciso ter cuidado, já que crianças de 4 a 12 anos se afogam pela sucção da bomba das piscinas.

Embora o inverno esteja próximo, todo o cuidado é necessário quando se tem em casa uma piscina ou mesmo uma lagoa não só para com os seus filhos, mas também quando se recebe visitas com crianças.

Orientações

O comandante do Corpo de Bombeiros Militar de Gaspar, tenente Diego Franz, reforça a importância de se estar atento o tempo todo ao que as crianças estão fazendo. Ele recomenda como equipamento fundamental de segurança a instalação cercas, grades e portões ao redor da piscina. "É preciso ter uma barreira física que limite o acesso das crianças ao ambiente da piscina, sem dúvida esse é método preventivo mais eficiente para a segurança de crianças e bebês", observa o bombeiro. Já as redes e lonas sobre as piscinas, ele diz que precisam ser projetadas e instaladas para essa finalidade.

O comandante também repassa orientações de primeiros socorros logo após a retirada de uma criança ou bebê que tenha porventura se afogado em uma piscina ou lagoa. "O primeiro procedimento é colocá-la sobre uma superfície plana e rígida e de imediato fazer o acionamento do Corpo de Bombeiros, ligue para o número 193". Neste caso, explica o comandante, o bombeiro de plantão irá passar os procedimentos que deverão ser feitos até a chegada das equipes de socorro. "A pessoa que vai receber as orientações precisa estar calma, porque ela vai precisar responder a algumas perguntas, é neste momento que começa o primeiro atendimento. O nosso bombeiro do outro lado da linha, de imediato vai acionar os nossos recursos para esse atendimento, mas é imprescindível que a pessoa possa informar, com o máximo de clareza tudo aquilo que ele está vendo e possa executar com tranquilidade as orientações que lhe serão repassadas", finaliza.

LEIA TAMBÉM

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |




JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |