| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
IMUNIZAÇÃO

Brasil vai começar a testar vacina chinesa contra COVID-19

Porém, a previsão é que esteja disponível somente em junho de 2021, caso seja comprovada eficaz

Alexandre Melo


FOTO ARQUIVO JORNAL METAS /MERAMENTE ILUSTRATIVA

O Brasil recebeu, na madrugada desta segunda-feira (20), o primeiro lote de 9 mil vacinas contra COVID-19, produzidas pelo laboratório chinês Sinovac Biotech. As vacinas chegaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e encaminhadas para o Instituto Butatan onde os testes devem iniciar ainda nesta segunda-feira. A empresa chinesa foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 3 de julho, em edição extra do Diário Oficial da União. De acordo com estudos, os testes realizados em laboratório indicam a produção de anticorpos em mais de 90% dos pacientes que receberam a dose da vacina.

O estudo clínico da vacina CoronaVac, produzida a partir de cepas inativadas do vírus, que está na terceira fase de testes, envolverá 9 mil voluntários distribuídos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do.Sul, Minas Gerais e Paraná, além do Distrito Federal. Metade dos voluntários receberá a vacina e a outra receberá um placebo para verificar se há o estímulo à produção de anticorpos para proteção contra o vírus.

O Instituto Butantan informou ainda que o programa de testagem passou por um conselho ético formado por representantes da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), ligada ao Ministério da Saúde, e pela Comissão de Ética para Análise de Projetos de Pesquisa (CAPPesq), vinculada à Secretaria Estadual da Saúde, que validaram a metodologia para ser usada em humanos. A inscrição e triagem inicial dos voluntários foi realizada pela internet com profissionais da saúde. Cada centros de pesquisa ficará responsável pelas informações coletadas dos voluntários, que serão sigilosas.Se for considerada eficaz nos testes, a vacina poderá ser produzida no país e disponibilizada no Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de junho de 2021, segundo a previsão do governo paulista.


LEIA TAMBÉM