| ASSINE | ANUNCIE
| | | |

Opinião/VAR mal usado

Por Alexandre Melo

Muitos são contra o VAR (árbitro de vídeo), eu não. Acho que a tecnologia é necessária para que o resultado do jogo não sofra a interferência dos erros de arbitragem. Todavia, os dois anos de uso da tecnologia no Brasil tem mostrado que ela vem sendo mal empregada. O árbitro de campo perdeu autonomia e autoridade. Quem decide de fato é o árbitro da cabine. Basta ver que o árbitro de campo sopra cada vez menos o seu apito e auxiliares levantam cada vez menos seus instrumentos para marcar impedimento. Afinal, será que o árbitro vai ao monitor para tirar uma dúvida ou ouvir a palavra final do árbitro da cabine? Muitos lances são interpretativos, portanto, a opinião de um árbitro pode ser diferente de outro. São pontos de vista. Eu tenho visto árbitros de campo sendo "convencidos" facilmente a mudar de opinião. Eles lavam as mãos como se fossem Pôncio Pilatos. As estatísticas revelam que 90% das vezes que o árbitro vai ao monitor ele muda sua decisão, ou se não decidiu nada acata a opinião do colega da cabine. Ou seja, não tem convicção de mais nada. Se o árbitro da cabine afirmar que o lance é para cartão vermelho, então o jogador será expulso, não importa a imagem do monitor. Concluo dizendo que a opinião do árbitro de cabine é mais decisiva que a imagem. Nesta tocada, o VAR perde sua principal função que é atuar em lances em que o árbitro de campo tem dúvida, e não quando o árbitro de cabine acha que a decisão de campo foi equivocada.


LEIA TAMBÉM



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |