| ASSINE | ANUNCIE
| | | |
FUTEBOL DE LUTO

Morre o ex-presidente do Vasco Eurico Miranda

12 Março 2019 13:41:00

Polêmico na defesa dos interesses do Vasco, o ex-dirigente morreu aos 74 anos

Alexandre Melo


Eurico teve uma trajetória no futebol brasileiro marcada pela polêmica/ FOTO DIVULGAÇÃO


O Clube de Regatas Vasco da Gama confirmou, no começo da tarde desta terça-feira (12), a morte do seu ex-presidente, Eurico Miranda, 74 anos. Ele foi internado pela manhã em estado grave em um hospital da Barra da Tijuca, zona sul do Rio de Janeiro, e não resistiu. Eurico lutava contra um câncer de cérebro, diagnosticado no ano passado. O tratamento vinha sendo feito à base de radioterapia. Em uma das sessões, o ex-presidente vascaíno chegou a sofrer um derrame, que deixou sequelas. Este foi o terceiro câncer de Eurico, que ocupava o cargo de presidente do Conselho de Beneméritos do clube carioca. O Vasco da Gama e a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro decretaram luto oficial de três dias. O velório será na sede do clube, a partir das 18h de hoje, e o sepultamento vai acontecer na manhã desta quarta-feira (13), no Cemitério São João Batista, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro.

Ele foi presidente do clube carioca por quatro mandatos, entre 2002 e 2008 e entre 2014 e 2018. Eurico ainda tentou mais uma reeleição, porém, por decisão judicial a vitória acabou ficando com seu adversário Júlio Brant. O ex-dirigentes também exerceu, entre 1995 e 2002, o cargo de deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro.

A trajetória

Eurico Ângelo de Oliveira Miranda nasceu no Rio de Janeiro em 7 de junho de 1944. Era filho de portugueses. Adepto do hábito de fumar charuto, ele se envolveu em muitas polêmicas durante sua trajetória de 50 anos como cartola. Aliás, o início da sua história no Vasco da Gama já foi marcada por polêmica. Em 1969, por ocasião de uma reunião que decidiria a cassação do então presidente, Reinaldo de Matos Reis, a energia elétrica foi bruscamente interrompida, na sede náutica do clube, na Lagoa Rodrigo de Freitas. A reunião foi adiada e, no dia seguinte, o Jornal O Globo publicou uma foto que mostrava uma mão desligando a energia elétrica, acompanhada da manchete: "A mão de Eurico". Assim, Eurico entrou para a história do Vasco da Gama, embora tenha somente passado a fazer parte da diretoria em 1979. Em 1980, ele se notabilizou na mídia por trazer de volta para o clube o ídolo maior, Roberto Dinamite. Na gestão de Antônio Soares Calçada, Eurico assumiu a vice-presidência do Departamento de Futebol e foi o responsável pelas negociações da venda de Romário para o PSV da Holanda.

Apesar da sua grande influência política, Eurico somente assumiria a presidência do clube em 2002. Daí para frente passou a aparecer bastante na mídia, sempre envolvido em polêmicas na defesa dos interesses o Vasco da Gama, algo que fazia como nenhum outro dirigente no País. Em seu segundo mandato à frente do clube, ele acabou sofrendo resistências por parte da torcida, pois os insucessos do time em campo desgastaram sua imagem de dirigente. Em 2007, depois de muita polêmica e interferência da justiça, ele não conseguiu fazer presidente o seu candidato. A oposição, encabeçada por Roberto Dinamite, assumiu o clube. O Vasco passou por momentos difíceis, tanto no futebol quanto financeira. O time sofreu o seu segundo rebaixamento no campeonato brasileiro. Eurico voltaria ao cargo de presidente em 2014, com a chapa "Volta Vasco", e prometendo que o clube jamais seria rebaixado novamente. "Respeito para com o Vasco", essa era a frase mais pronunciada pelo dirigente. Porém, na prática, Eurico não conseguiu cumprir a promessa e o Vasco disputou pela terceira vez a Série B.

O ex-dirigente acumulou bens e alguns processos judiciais por suspeita de desvio de recursos, evasão de divisas, tráfico de influência e sonegação fiscal. Foi acusado por parte da imprensa de influenciar diretamente nas decisões da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, o que nunca se provou. Ele teve ainda sua candidatura à deputado federal impugnada pela justiça, que entendia que Eurico não reunia condições morais para exercer o cargo, porém, ele conseguiu reverter a decisão. Em 2001, depois de não se reeleger deputado e perder a imunidade parlamentar, foi alvo de processos e de diversas reportagens na imprensa por suspeita de irregularidades nas gestões em que ocupou os cargos de presidente e vice-presidente do clube.Em 2007 foi condenado, na CPI do Futebol, a 10 anos de prisão e ao pagamento de uma multa de R$ 53 mil. No entanto, Eurico teve o direito de recorrer em liberdade e o processo voltou aos tribunais. No dia 18 de abril de 2008, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça anulou, por unanimidade, a sentença.

Rede Globo

Desafeto declarado da Rede Globo, Eurico protagonizou uma das situações mais inusitadas da história do marketing no futebol brasileiro. Em 2001, ele foi o pivô da polêmica do primeiro jogo da final da Copa João Havelange entre Vasco e São Caetano, em São Januário, quando um alambrado cedeu e 168 pessoas ficaram feridas. Eurico se sentiu prejudicado pela emissora dos Marinho que o denunciou, em reportagens, ter ordenado a continuidade da partida enquanto todos pediam pela suspensão. A decisão final, que acabou suspendendo a partida, acabou vindo do governador do estado, Anthony Garotinho. Uma nova partida foi realizada, desta vez no Maracanã, que era o local inicialmente marcado para o jogo - Eurico foi acusado de ter levado o jogo para São Januário por interesse financeiro. A final foi disputada no dia 18 de janeiro de 2002. Para afrontar a Rede Globo, que já naquela época detinha os direitos exclusivos de transmissão dos jogos do campeonato brasileiro, o dirigente vascaíno mandou estampar nas camisas dos seus jogadores a logomarca do SBT, emissora concorrente da Globo. Desde então, Eurico e a Globo passaram a ter uma relação amarga.


Site do clube anunciou a morte do ex-dirigente vascaíno / REPRODUÇÃO INTERNET





LEIA TAMBÉM



JORNAL METAS - Rua São José, 253, Sala 302, Centro Empresarial Atitude - (47) 3332 1620

| | | |

JORNAL METAS | GASPAR, BLUMENAU SC

(47) 3332 1620 |